MINUTO A MINUTO

Não nos convidaram pro casamento real... deveriamos. Sabia que haviam hemofílicos nas familias reais euripeias e russas? Essas e outras você confere aqui.

DENUNCIA

CONGRESSO MUNDIAL

  • Written by Sora Templates

    Começa hoje o Congresso Mundail da FEDERAÇÃO MUNDIAL DE HEMOFILIA.


ÚLTIMAS NOTÍCIAS

DOAÇÃO PARA PROJETOS

  • Written by Sora Templates

    SHIRE abriu processo de seleção de projetos sociais de associações e ONGS que poderão receber doação da empresa..


mAIS histórias


MAIS SOBRE HEMOFILIA

sonhando e viajando

Começamos com um blog, hoje com mais de 300 mil acessos somos um portal. Uma ideia na cabeça e um notebook nas mãos. Há, a mochila, veio do sonho de compartilhar conhecimento sobre hemofilia e defender por ai a ideia de que a hemofilia não impede um viver de bem com a vida. Cobrimos alguns eventos e estivemos por ai, mas blogueiro não tem muitos recursos e as viagens pararam.... mas seguimos pela internet. Sonhando e viajando se sair do lugar....

congresso mundial de hemofilia

mais do blog

Em 1911, o Cais do Valongo foi aterrado e redescoberto 100 anos depois

.......Mais Sobre Hemofilia

ANUNCIE AQUI
.
» »Da Redação » UM DOS CAMPEÃOS DO ECOMOTION 2012 É HEMOFÍLICO

Os espanhóis Urtzi Iglesias, Jon Arambalza e Angel Garcia, junto com a brasileira Bárbara Bomfim, são os campeões do Ecomotion/Pro 2012. 


Eles levaram 108 horas para completar os 585 quilômetros do percurso, terminando às 18h20. 



A equipe se destacou por conquistar e manter a primeira colocação desde o PC 4, no início da competição.

Apesar do bom desempenho, a equipe também sofreu com os desafios que se apresentaram nessa edição. Para Jon, a canoagem foi de longe a parte mais difícil, apesar do trekking ter se mostrado bastante técnico e de difícil navegação.



Desafio em dobro. Além de percorrer todas as adversidades do percurso, o espanhol Angel Silva ainda precisou lidar com a hemofilia. 



Yari Oliveira, responsável pela segurança das pernas de canoagem, conta que a equipe hispano-brasileira tomou o maior tombo que ele viu. 




“Eles chegaram no funil do Rio Paranã as 5h30 e esperaram até as 6h para descer com sol. Mesmo assim eles caíram na primeira onda, quebraram um remo e desceram rolando”. “

As montanhas são bonitas, as zonas de corredeiras são muito divertidas. Eu Nunca tinha remado em rios tão selvagens”, afirmou Angel. 

O time também perdeu um pouco de tempo após o dark zone. Eles chegaram na área 20 minutos antes fecharem a passagem durante a noite, mas depois que atravessaram o trecho, acabaram dormindo 5 horas ao invés das duas programadas. 

 Além de percorrer todas as adversidades do percurso, o espanhol Angel Silva ainda precisou lidar com uma doença chamada hemofilia, que incapacita o corpo de controlar sangramento.

 Tomando a medicação correta, Angel diz que nunca teve problemas, e que é importante fazer sempre aquilo de que se gosta. “Fizemos um bom planejamento e estava sempre tranquilo”, contou.

 “A equipe de apoio estava sempre preparada, eu só precisava parar um pouco e tomar a medicação nos momentos certos. Calculamos essas paradas antes”. 


Outsider brasileira. 

Além de ser a única mulher da equipe, Bárbara Bomfim era também a única brasileira. Ela conheceu os espanhóis pela primeira vez na Costa Rica quando corria com a Oskalunga em 2011, depois reencontrou o grupo no Campeonato Mundial de Corrida de Aventura na Tasmânia.

“Já tínhamos o contato, eles tiveram a oportunidade de vir aqui, aí encaixou. Como eu sou daqui de Brasília, ficou mais fácil”, explicou a atleta, que assumiu sentir falta de sua equipe original. 

“Eu queria estar ganhando com a equipe Oskalunga, mas infelizmente ela mudou, a equipe se dividiu. 

Mas, eu acho que eu carrego totalmente essa força Kalunga, tanto que a prova inteira fiquei mentalizando isso dentro de mim”.

Com relação aos novos companheiros, Bárbara diz que a experiência foi um aprendizado diferente. “Senti uma diferença, porque a equipe funciona de um jeito diferente do que eu estava acostumada, e fui tentando me encaixar, tentando sobreviver e não dar trabalho”, explicou.



Segundo Bárbara, “para ganhar sincronia é preciso correr muita prova junto, é muito difícil fazer o que a gente fez. Ter juntado quatro pessoas que nunca correram juntas e ganhar foi muita sorte mesmo”.

A prova mostrou uma grande diferença das anteriores. Isso aconteceu na canoagem, no canyonismo e na navegação. 

Fico muito feliz em saber que a Ecomotion está evoluindo tanto – disse o paulista.


Por: Carola Ettegui - Tradução: Maximiliano Anarelli


________________________________


VEJA TAMBÉM:


Hemofílicos da Venezuela participam do Desáfio de Carige, uma travessia de mais de 3500 km a nado. Leia esta impressionante matéria e veja como esses atletas desafiam o impossível.





«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga

mais do blog

Em 1911, o Cais do Valongo foi aterrado e redescoberto 100 anos depois


.......
Mais Sobre Hemofilia